Encontros & Eventos




Sites Parceiros







1º Alfa Romeo Road Trip Brasil

  O 1º Alfa Road Trip foi uma experiência única e inédita no Brasil.

  A história da Alfa Romeo em terras brasileiras foi revista "in loco" incluindo passagens por Xerém - RJ e Betim - MG, no ano em que a indústria automobilística nacional completa seu cinqüentenário.

  O Levantamento iniciado pelo ARBR dos exemplares restantes de FNM 2000/2150 e Alfa 2300/ti foi ampliado e novos contatos feitos para a divulgação do projeto.

  Foram 11 dias de muito prazer a bordo da 145 Grigio Titânio. Veja abaixo o que aconteceu durante a viagem, dia a dia.


  14/10/2006

  Às 9:00 horas foi dada a largada em São Paulo. Em caravana, partimos para São José dos Campos ao encontro de Michael Swoboda, com quem tomamos um belo café-da-manhã.
  Oito automóveis participaram do 1º trecho de aproximadamente 100 Km:

    Marcus Myrrha/Renato Cunha - Alfa 145 QV
    Wagner Modollo - Alfa 2300 sl
    Oswaldo do Carmo Júnior - Alfa 2300 ti4
    Donizette Barros - Alfa 145 Eleg
    Danilo Pessolato - Alfa 155 Eleg
    Rodrigo Roque - Alfa 164 12V
    Sebastião Serpa Jr. - Alfa 164 12V
    Renato Cabral - Alfa 156 Eleg

  Estiveram ainda presentes na largada os alfistas Danielle Possata (145 Eleg), Alexandre Rossi (156 Sport), Nelson Matayoshi (2300) e João Manuel de Carvalho (2300 ti4).

  Depois de uma boa "esticada"pelas Rodovias Ayrton Senna e Dutra, a caravana ("alfavana") se encontrou com os grandes Michael e Leandro Swoboda num posto em SJC, de onde seguimos até a residência do Mestre Swoboda. Lá, nos foi oferecido o farto café-da-manhã (praticamente um almoço...). Robson Bernardo (2300B) de SJC também esteve conosco.

  Às 12:30 horas, os alfistas paulistanos retornaram à capital e a 145 QV (Marcus/Renato) e a ti4 86 (Michael/Leandro) seguiram rumo ao Rio de Janeiro. Donizette Barros nos acompanhou com sua 145 até a altura de Aparecida do Norte, onde se despediu.

  A mais ou menos 150 km do Rio, fizemos uma troca de "navegadores", com o Michael embarcando na 145 e o Renato na ti4.

  Na descida da sinuosa serra, o Leandro mostrou seus dotes de piloto e a ti4 sua ótima estabilidade. O efeito colateral da brincadeira foi a taquicardia no Renato que se segurou como pôde naquela alça conhecida como...

  Percebi também, que o Michael, em sua germânica discrição, arregalou um pouco os olhos, assistindo ao serpenteio de sua EXT 2300 naquelas curvas fechadas...

  Por volta das 16:30, fomos "resgatados" na linha vermelha pelo David Cipriano (155 Super) e pelo Antônio Marques (155 Eleg) que nos deram as boas vindas à Cidade Maravilhosa.

  À noite, nos encontramos com o Victor Gentilli que saiu de Vitória - ES e se juntou à trip. Tivemos um agradabilíssimo encontro na Lagoa, com direito a chopp bem gelado, comida árabe e a presença de muitos alfistas e Alfas:

    Marcus/Renato (145 QV)
    Michael/Leandro (ti4)
    Victor Gentilli (145 QV)
    David Cipriano (155 Super)
    Celso Araújo (155 Eleg)
    Antônio Marques (155 Eleg)
    Henrique Huber (ti4)
    Marcelo Bianco (ti4)
    Carlos Eduardo Maia (2300)
    Marcelo Almeida (164 12V)
    Márcio César Oliveira (164 24V)
    Aníbal Ribeiro (166)


  15/10/2006

  Domingo, 9:00 horas. Partimos para Xerém numa bela caravana com os alfistas cariocas, quando se juntaram a nós novos integrantes:

    Eduardo Ribas - FNM 2150 70
    Alexandre Almeida - ti4 85
    Josiane e Aymar Alvarenga - ti4 82
    Leonardo Maciel - FNM 2150 72

  Os dois FNM nos encontraram no restaurante "Casa do Alemão", ao pé da Serra e puxaram o comboio até Xerém. Lá chegando, nos aguardava em frente à antiga fábrica da FNM (atualmente Ciferal), o grande Luiz Carlos Braga de Juiz de Fora e seu belíssimo FNM 2000 67 vermelho que nos prestou um auxílio imprescindível durante a "fase mineira" da trip. Junto com ele, dois membros da associação de antigos de JF (AVA) - O Jorginho e o José (Zé), que também é o mecânico oficial do FNM 2000.

  Fomos brilhantemente ciceroneados pela historiadora Mônica Sarandy que nos levou até a antiga Vila dos Engenheiros da FNM que está sendo restaurada. Um belo lugar! Despertou uma enorme nostalgia em todos. A jornalista Márcia Evangelista também nos deu as boas vindas. Todo esse contato nos foi facilitado pelo Engenheiro Eduardo Paiva, um apaixonado pela história da FNM e que, infelizmente, não pôde estar presente. Depois de muitas fotos, visita às casas e muita conversa boa, nos dirigimos a um restaurante típico local para o almoço. Por volta das 15:30, nossos amigos cariocas seguiram de volta ao Rio e o Michael e o Leandro Swoboda para São Paulo.

  Eu e o Renato com a 145 tivemos o privilégio de nos ver acompanhados de Xerém até Juiz de Fora pelos FNMs 2000 e 2150 do Luiz Carlos e do Leonardo. A tarde estava linda, a estrada excelente e os tres Alfas deslizavam suavemente pelo tapete de concreto da BR 040, chamando a atenção dos outros motoristas que passavam. E que visão maravilhosa aquele grande cuore do FNM 2000 vermelho no retrovisor.

  Chegada a Juiz de Fora, direto para a casa do Jorginho e para a Associação de Antigos (anexa). Quase caímos duros com algumas maravilhas escondidas no galpão (Cadillac, Impala, Chevrolet 40, entre outros). Depois de um café com bolo e queijo na casa do Jorginho (como só os mineiros sabem fazer) e cansados da maratona, nos dirigimos ao hotel (gentilmente reservado pelo Luiz Carlos) e apagamos.


  16/10/2006

  Uma nova maratona por JF! A bordo do FNM 2000 do Luiz, fizemos inúmeras visitas: Coleção do Sr. Vilella, que gentilmente liberou nosso acesso apesar de não estar presente (estava em viagem), onde catalogamos mais um belo FNM 2150 vermelho e pudemos apreciar uma spider igualmente vermelha e da mesma época.

  Visitamos também duas oficinas de mecânica e funilaria onde encontramos vários exemplares de 2300, alguns em bom estado e outros a serem restaurados e alguns pontos históricos da cidade como a 1ª Usina Hidroelétrica da América do Sul e um monumento assinado por Di Cavalcanti pelo centenário de Juiz de Fora. Todos os FNM e 2300 vistos foram incluídos no levantamento. O Victor Gentilli chegou a JF após parada em Itaipava dando-nos o privilégio de sua companhia nesse tour pela cidade.

  E foi aí que o Luiz Carlos mostrou seu "braço", dando umas esticadas no FNM 2000, diante dos quatro assustados passageiros (mas que foi bem divertido, foi...).

  À tardinha, um breve descanso antes de um mini-encontro noturno com alfistas juizforanos (164, ti, 145, FNM 2000 e o proprietário de uma 2300B em restauração). Depois, jantar no ótimo restaurante Berttu's e despedida da cidade.


  17/10/2006

  Partimos para nosso 4º dia de viagem rumo a Cataguases em companhia do FNM 2150 azul do Leonardo Maciel. Como foi bom ver aquela velha macchina desfilando com bravura do alto de seus 34 anos, levando 4 passageiros mais bagagem sem reclamar!

  Em Cataguases, além da bela arquitetura de suas casas e da Igreja Matriz com seu famoso painel externo executado pela artista plástica Djanira, nos aguardava o amigo e "fenemista doente" Vítor Américo com seus 3 FNM 2000/2150. Dois deles (os 2000) em restauração.

  Já o 2150 1972 brilhava, impecável, absolutamente original com seus (apenas) 54 mil km rodados. Eu já o conhecia. O Renato deixou cair o queixo e babou... Depois de uma sessão de fotos com os veteranos perfilados, o Vítor nos recebeu em sua casa para que apreciássemos seu belo e histórico arquivo sobre FNMs e Alfas.


  18/10/2006

  Acordamos e botamos o pé na estrada. O FNM 2150 azul da família Maciel partiu antes e os encontramos em Barbacena, onde já nos aguardava outro espetacular FNM 2150 vinho e seu orgulhoso proprietário, o Sr. Pedro Ladeira, que gentilmente nos ciceroneou até sua coleção particular onde se destacava um belíssimo FNM JK branco, em fase final de restauração, mas funcionando perfeitamente. Depois das fotos, um bom papo e algumas risadas, almoçamos com o Sr. Pedro, nos despedimos e partimos para BH.

  Na altura de Conselheiro Lafaiete, encaramos nossa primeira chuva que, misturada à camada de minério de ferro de cobria o asfalto, formou uma lama avermelhada que tingiu o cinza titânio da 145 e nos acompanhou até o final da trip.

  Na chegada a BH, fomos resgatados ainda na 040 pelo nosso amigo e grande figura Celso Viana. A frustração ficou por conta da quebra da direção de sua GTV vermelha que seria o carro "oficial" da escolta mas, devido ao imprevisto, foi substituida pelo carro de uso diário do Celso. Chegamos ao hotel e ainda no check in, chega também o Rui Briguenti de São José do Rio Preto(veio voando, mas de avião mesmo...) para acompanhar o encontro de BH (jantar) e a visita à Fiat no dia seguinte.

  Com nosso grande anfitrião em BH/Betim, o Engenheiro Robson Cotta, nos encontramos na pizzaria "Pizzarella" para o jantar. Chegou em sua fulgurante Spider 2000 72 vermelha e ainda nos permitiu um rápido test drive pelos arredores. Vieram ainda o Paolo (2300) e o Márcio (156/spider). Depois de uma boa sessão de pizza e chopp e muito papo e história sobre alfas, seguimos até o estacionamento para as "considerações finais" aos lado das "bellas" e nos despedimos até o dia seguinte quando novamente nos encontraríamos para a visita à Fiat.


  19/10/2006

  Bem cedo, antes das 8:00, o Robson já passava em nosso hotel de onde partimos para ver seus dois FNM/JK em restauração ( um deles, um belo azul calcinha quase pronto). Tudo bem rápido, com os devidos registros. Partimos para a Fiat. Lá chegando, fomos cordialmente recebidos pelos funcionários responsáveis e encaminhados para uma área reservada onde as Alfas ficaram perfiladas. E ficou bonito! Em poucos carros, quatro gerações foram representadas, com destaque para o FNM 2150 da família Maciel e para a 2300 série "A", impecável, do Wander de Andrade.

  Depois de uma brilhante palestra ministrada pelo Robson no Centro de Estilo, com a história da Alfa Romeo no Brasil desde os primeiros JK até as últimas ti e um rápido apanhado sobre os últimos lançamentos na Europa, passamos à visita às linhas de montagem, incluindo a "linha 4", onde foram produzidas as últimas ti/ti4. Depois, almoço, visita à boutique, despedidas (já deixando saudades em todos) e, de novo, pé na estrada. O FNM 2150 azul que nos acompanhava desde o Rio de Janeiro se despede da Road Trip e segue orgulhoso e intacto de volta a São Gonçalo (vale aqui uma nota: Não tivemos nenhum caso de falhas mecânicas ou quebras durante a trip, mesmo nas alfas mais antigas).

  A 145 QV, desta vez sob o comando do Renato, segue, sob chuva, em direção ao Sul de Minas para pernoite na cidade de Campanha (famosa pelos artesanatos).


  20/10/2006

  Antes da partida, difícil foi tirar o Renato da mesa do café-da-manhã, com as iguarias mineiras (daí a explicação para a 145 estar mais "pesada" no fim da viagem...). Check-out feito, partimos para Sta Rita do Sapucaí onde nos aguardava o grande David Kallas. Passamos reto no trevo de saída da Fernão Dias e engolimos 50 km de estrada até perceber o erro. Mais 50 km para voltar e tomar a estrada secundária rumo a Sta Rita.

  Na chegada à cidade, nos aguardava na praça central, de chapéu panamá, o David Kallas. Achamos que o chapéu era uma espécie de formalidade, mas depois o Kallas nos informou que era pra proteger sua careca do sol mesmo...

  Demos umas boas risadas e partimos para o "Alfódromo" onde nosso amigo guarda cinco 2300 ( a mulher dele não pode saber disso...) em diversos estados. Uma delas, doadora. A "nossa" verdinha, 2300B, que acompanhamos a restauração há tempos, está quase lá. Conhecemos o mecânico que cuida das meninas e mais dois amigos do David. Um deles, ex-proprietário de GTV. Mais fotos, mais papo bom, mais risadas e fomos para o almoço ("na faixa") em um ótimo restaurante, oferecido por nosso anfitrião. Novamente nos despedimos agradecidos e voamos para São Paulo, onde nos aguardava o Salão do Automóvel.

  Chegada a SP, aquele trânsito infernal na área do salão, estacionamos depois de 1 hora de congestionamento. O Renato andou mais e viu todos os stands.

  Eu, me concentrei no stand da Alfa (infelizmente só com 2 carros). Nos demais, dei apenas uma breve e desinteressada olhadinha. Missão cumprida, rumamos para casa, quebrados, para um merecido e necessário descanso. Dia seguinte iniciaríamos a "etapa Sul" da Road Trip.


  21/10/2006

   Em companhia do Jorge Wegener e sua 145 QV Rosso Alfa, partimos para Curitiba bem cedo. O Rodrigo Roque e sua família (164 12V) seguiram na véspera e nos encontrariam lá. Há uns 100 km de Curitiba, nos intercepta na Regis Bittencourt o grande amigo Giovani Sardagna, acompanhado de seu filho e "navegador" Bruno, a bordo daquela maravilhosa e impecável ti4 85 conhecida por nós como "Jandira". Mais diversão na estrada e chegamos a Curitiba por volta do meio-dia, direto para a garagem do Ronei que já nos aguardava e a outros convidados para um almoço.

  Foi lindo ver aquele estacionamento forrado de Alfas como só os Curitibanos, justiça seja feita, sabem fazer. Depois dos cumprimentos e algumas fotos, a expectativa.

  O que nos aguardava naquele galpão? As macchinas já conhecidas estavam todas lá, polidas, reluzentes, impecáveis. Mas havia algo diferente... Sob uma capa vermelha, uma forma conhecida. Ah... é uma GTV (anos 70), todos diziam.

  Mais expectativa e a surpresa. Capa baixada pelo Ronei e seu filho Rogério, surge uma raríssima GTV autodelta 74 vermelha diante dos olhares de espanto e admiração dos presentes. Depois disso, nem precisa dizer né? A GTV virou a estrela do dia e todos passaram a usar babadores para chegar perto.

  O maravilhoso JK 63, com 62 mil Km e impecavelmente restaurado brilhava ao lado da GTV e de duas 2300 (uma B e uma ti4). As outras peças da linda coleção emolduravam os clássicos nacionais: Spider 74 e 97, 164 24V 95, 155E e 145QV 96 e 156 sport 2000.

  Foi uma tarde memorável, proporcionada pelo Ronei, pelo Rogério e por sua simpática família. Ao fim do dia todos se despediram agradecidos, ja pensando no encontro do dia seguinte para a caravana rumo a Joinville. Os seguintes Alfistas estiveram presentes nesse encontro de Curitiba:

    Marcus/Renato - 145 QV
    Jorge Wegener - 145 QV
    José Carlos Domanski - 145 QV
    Gerson Carlos Neves - 145 QV
    Luis Marvila - 145 Eleg 2.0
    Josmar Santoro - 145 1.8
    Alexandre Stotz - 155 Eleg
    Sérgio Almeida - 164 24V
    Ubirajara Leal - 164 24V
    Henrique Gurgel Silva - 164 24V
    Rodrigo Roque - 164 12V
    Aguinaldo Graf - 156 Eleg
    Romanelli - Spider V6
    Marcos Pereira - 2300 B
    Giovani Sardagna - Alfa ti4 E os anfitriões, Ronei e Rogério Della Giacoma.


  22/10/2006

  Por volta das 9:30 deixamos o hotel para encontrar os "trippers" que esticariam conosco até Joinville. O Giovani e o Rodrigo Roque seguiram na véspera e nos aguardavam na cidade catarinense. Onze Alfas formaram o comboio e seguimos velozmente pelas curvas da maravilhosa serra que liga as duas cidades. Mais uma vez, presenciamos um show no asfalto, com todas aquelas alfas com os farois acesos serpenteando pela sinuosa estrada. Uma longa e sinuosa estrada (The long and winding road) como diriam os Beatles...

  Na chegada a Joinville, já nos aguardavam o Giovani (de 156 2.5 V6 mec), o Rodrigo e amigos e familiares do Giovani. Outros alfistas se integraram ao grupo nessa etapa:

    Alexandre Schultz
    Walmor Krause - Spider 96
    Carlos D Meneses - 156 SW
    Lauro Blanco - 164

  Seguimos em caravana para o "Circolo Italiano di Joinville" onde nos esperava, organizado pelo Giovani, um maravilhoso almoço italiano, com direito a música ao vivo (italiana, claro...). Nos divertimos muito e no final ainda vibramos com a vitória do Felipe Massa no GP Brasil de F1. Pensam que acabou o dia? Nada disso! No fim da tarde, formamos novo comboio. Dessa vez, com 5 carros e seguimos para Florianópolis.

    Marcus - 145 QV
    Luis Marvila - 145 1.8
    Ronei - 145 QV
    Giovani e Renato - 156 2.5 V6
    Stotz - 155 Eleg

  Em Floripa, o Stotz fez as honras da casa. Fomos até sua garagem, onde descansavam a Alfa ti4 preta e a 155 super azul. Novas fotos, o Stotz estaciona a 155 eleg e troca pela super. Seguimos até um mirante com uma bela visão da Ponte Hercílio Luz, já à noite. Estacionamos, fotografamos e fomos para um restaurante à beira-mar onde pudemos degustar saborosas porções de camarão. Mais bate-papo e caras de satisfação após um dia de pura alegria e demonstrações de amizade.

  O difícil foi essa última despedida. A Road Trip estava chegando ao fim. O último trecho seria cumprido solitário. Eu e a 145QV voltaríamos a São Paulo.

  O Renato resolveu dar uma esticada na semana em Floripa antes do retorno a Porto Alegre.


  23/10/2006

  E foi assim. Logo cedo, juntei as bagagens e parti rumo a SP. Não posso dizer que tenha sido monótono esse final, porque guiar uma Alfa Romeo numa boa rodovia é sempre uma experiência emocionante. Mas senti falta dos amigos e das visões que tivemos nas outras etapas.



  COMENTÁRIOS

  Não houve pontos negativos durante a Road Trip. Tudo correu perfeito. E os grandes responsáveis por isso foram os amigos que nos ciceronearam, que participaram e que deram brilho ao evento. Eu e o Renato, fora algum trabalho no período de organização, só nos divertimos.

  O que se conclui de tudo isso é que a marca Alfa Romeo tem um carisma enorme por essas terras. Atrai olhares e cativa corações.   O mundo seria melhor se todos andassem de Alfa...

  Obrigado a todos que participaram, que viajaram juntos, que organizaram os receptivos e que compartilharam do "Grande Cuore".

  Obrigado aos patrocinadores (MZ Alfa e Lubrificantes selenia) que nos deram seu voto de confiança e apoio. E aos amigos que também patrocinaram adquirindo as camisetas e adesivos.

  Obrigado aos nossos queridos David Cipriano (Dac) e Celso Araújo que, mais uma vez, deram demonstração de sua generosidade e espírito de grupo, criando nossos banners, estampa para as camisetas e colaborando na organização.

  Em 2010 a Alfa Romeo completa 100 anos. Quem sabe esse 2006, com o Alfa Day e o Alfa Road Trip não foi apenas um aperitivo para uma grande festa de confraternização no ano do centenário?


  Marcus Myrrha e Renato Cunha
  Alfa Romeo BR - www.alfaromeobr.com.br

Veja também:
   Acompanhe a Road Trip dia a dia
   A primeira chamada da Road Trip e o roteiro resumido da viagem
   A chamada final da Road Trip e o cartaz da viagem
   A belíssma 145 Quadrifoglio adesivada para a Road Trip

Aguardem. Em breve mais novidades sobre esta incrível viagem!!!